Ansiedade ou Depressão? Uma coisa não exclui a outra

Com a Saúde Mental cada vez mais em pauta, é natural que as pessoas procurem tratamento e pesquisem sobre o assunto. Quem já buscou um profissional com esse tipo de queixa provavelmente se perguntou, mas afinal, qual o meu diagnóstico, tenho Depressão ou Ansiedade? 

ansiedade depressão Cuiaba psiquiatra
Duvida constante nos pacientes, às vezes esse dilema é desnecessário ao tratamento

A Depressão é uma alteração marcada do humor e da capacidade de alguém sentir prazer, também atinge o raciocínio, a energia física e o conteúdo dos pensamento – que fica sempre mais pessimista e negativista sobre si mesmo e o mundo. 

A Ansiedade, por outro lado, é um estado constante de alerta, que faz o paciente evitar situações que fogem do seu controle, sentir medo ou ter sustos com facilidade e até, em casos graves, ter crises de ansiedade e pânico – que como o nome já indica são realmente desesperadoras. 

A doença psiquiátrica é uma alteração de como o cérebro funciona – que ao contrário de várias doenças neurológicas pode não mudar a anatomia (estrutura física) do cérebro e portanto não apresenta alterações em nenhum exame convencional. O cérebro funciona com uma complexidade que até hoje a ciência “quebra a cabeça” para compreender, nesse intrincado sistema não é tudo 8 ou 80, e ter mudanças nas regiões que geram ansiedade, muitas vezes também causa sintomas depressivos e o contrário também é verdadeiro. 

Dessa forma, a mesma pessoa pode ter Depressão e Ansiedade, prevalecendo uma ou outra coisa em cada momento da vida. O diagnóstico da Depressão Ansiosa é justamente a presença de sintomas “misturados” dos dois diagnósticos no mesmo período de tempo. 

psiquiatra cuiaba
Dois lados da mesma moeda: Ansiedade e Depressão podem ser causados pelo mesmo problema

Mais da metade das pessoas com Diagnóstico de Depressão podem apresentar, no decorrer de um ano um diagnóstico de Ansiedade. Estudos apontam carga genética compartilhada pelas duas condições e as medicações usadas para tratar uma doença muitas vezes melhoram a outra também. 

A Depressão não é necessariamente um diagnóstico mais grave que a ansiedade, pois quadros graves de ansiedade, como a Síndrome do Pânico podem ser até mais incapacitantes que transtornos depressivos.

Portanto, não se assuste com o diagnóstico, não tenha medo de procurar ajuda, nem espere a situação ficar insuportável para iniciar o tratamento. Mais importante do que se perder em alguns questionamentos, é se encontrar com profissionais que te ajudem a melhorar e conseguir a remissão dos sintomas. 

Ao contrário do que se pensa, Depressão tem tratamento!

Dr. Manoel Vicente de Barros – Psiquiatra em Cuiabá

https://www.instagram.com/dr.manoelvicente/

http://www.ipec.med.br/

A relação do Portão do Inferno com o suicídio

dr. manoel vicente de barros psiquiatra em cuiaba

Não é de hoje que o Portão do Inferno, um precipício de 50 metros nas curvas que ligam Cuiabá ao paraíso de Chapada dos Guimarães, é local de tentativas de suicídio. Não sabemos quantas pessoas já tentaram ou conseguiram retirar suas vidas nesse mirante que deveria ser apenas mais uma bela paisagem na MT 251, mas é certo que os moradores da região convivem há anos com essa situação. 

O assunto foi reavivado pela divulgação de um vídeo em que um motoqueiro salva um jovem de saltar no último minuto. O ato heroico e o drama que o tema carrega trouxeram de volta o assunto à nossa região. Muitos acreditam que o nome do local possui impacto nesse comportamento e a ideia de “Inferno” atrai as mentes desesperadas, mas está longe de ser o único cartão postal com esse estigma. 

De Nova Iorque, com o Edifício Empire State, a Paris, com a Torre Eiffel, vários países possuem pontos turísticos que se tornaram palco de suicídios.Suicídio não é mais um tabu. É assunto de utilidade pública e precisamos falar sobre isso. O suicídio é uma tentativa desesperada de aliviar uma dor, de buscar saída em meio ao sofrimento e desesperança sobre o futuro. 

A Depressão é a maior causadora do comportamento suicida –  é como uma lente de pessimismo e negatividade, não deixa a pessoa enxergar outra saída, afinal, como você se livra de algo que dói na alma?

É mais que comprovado que a Depressão é uma doença, causada por fatores biológicos e sociais, associar o ato de suicídio ao Inferno talvez seja resquício de nossa cultura religiosa que acredita que quem comete o ato merece punição eterna. Talvez a própria pessoa esteja convencida disso.No entanto, o mais provável é que o ponto seja associado no imaginário local a “um fim garantido”, sem chance alguma de sobrevivência. 

Quem está deprimido quer alívio, e só vislumbra esse caminho como solução do seu sofrimento, mas a verdade é que não é.Um estudo feito com mais de quinhentas pessoas salvas do suicídio da ponte Golden Gate em São Francisco – o local com mais suicídios registrados no mundo – após 20 anos descobriu que 95% delas estavam vivas ou faleceram de mortes naturais.  Isso aponta que o comportamento suicida é impulsivo – um ato desesperado de sanar uma crise depressiva – que na maioria das vezes é resolvida.           

PORTÃO DO INFERNO CHAPADA DOS GUIMARÃOS

Quem tenta suicídio não é um condenado sem salvação, as crises passam e o pensamento suicida também. Estender o braço e oferecer tratamento realmente salva vidas.

Medidas preventivas como instalação de grades de proteção, câmeras de vigilância e equipes de pronta resposta conseguiram zerar suicídios em diversos locais. A oferta de tratamento com psicologia e psiquiatras em um sistema de saúde mental eficiente e acessível é indispensável nessa luta.Não precisamos observar mais episódios como quem aprecia uma paisagem, medidas incisivas são possíveis, necessárias e urgentes.  

O que estamos fazendo para mudar esse cenário?Se você tem Depressão, procure auxílio profissional, o tratamento moderno com psicoterapia, medicamentos e até abordagens não medicamentosas como a Estimulação Magnética Transcraniana são cada vez mais acessíveis. Ao contrário do que se pensa, Depressão tem tratamento!   

http://www.ipec.med.br/

Dr. Manoel Vicente de Barros – Psiquiatra em Cuiabá

https://www.instagram.com/dr.manoelvicente/

MARTHA RHODES, UMA HISTÓRIA DE SUCESSO COM ESTIMULAÇÃO MAGNÉTICA TRANSCRANIANA

Se você ainda não leu a primeira parte da entrevista com a autora e paciente de Estimulação Magnética Transcraniana (EMT) Martha Rhodes, clique para ler aqui http://blog.drmanoelvicente.com.br/index.php/2019/11/27/depoimento-estimulacao-megnetica-transcraniana/

Quando você começou a notar mudanças no seu humor?

Meu médico foi muito claro comigo desde oi começo – a Estimulação Magnética Transcraniana (EMT) não é uma solução instantânea. essa informação me preparou para ser paciente e esperar os resultados. Não notei a diferença no meu humor até a quarta semana de tratamento.

Em algum momento, por volta da décima nona sessão, acordei uma manhã sem aquela nojenta sessão de desconforto – o sentimento que é mil vezes pior que “Eu queria que fosse segunda de manhã e que eu não tivesse que ir trabalhar!” ( eu chamo isso de náusea emocional). Tive uma sensação de leveza, como se um casaco pesado tivesse sido removido dos meus ombros cansados. Notei que a musica que eu ouvia durante a ida e volta do tratamento estava mais animada e me encontrei cantando a musica! Comecei a procurar meus amigos novamente, para conversar ao telefone e se encontrar para almoçar. Minhas lágrimas desapareceram e comecei e me ouvi gargalhando. A ansiedade e tristeza sempre presente desapareceram. Eu aumentei minha energia, me senti mais tranquila, silenciosamente “sabendo” que minha vida – e qualquer problema dela – era manejável.

Ter um sistema de suporte forte e estruturado para me ajudar no ajudar nas primeiras sessões foi importante para minha recuperação. Tomar um comprimido toda manhã era algo tangível. Você vê, você engole e sabe que possivelmente vai ter efeito. A EMT é muito mais discreta, quase misteriosa. O fato que é baseada em pulsos magnéticos torna o procedimento “quase mágico”. É invisível e não invasivo – mas funciona.

Como exatamente a EMT te ajudou?

A EMT afeta os caminhos neuronais do córtex pré frontal do cérebro onde as emoções e o humor residem. Resumidamente, a força dos pulsos magnéticos estimularam a área do meu cérebro que não estava reduzindo neurotransmissores suficientes (substâncias que ativam os pulsos nervosos). O campo magnético produz uma corrente elétrica muito fraca que acorda as células do cérebro e elas começaram a fazer seu trabalho – o que é necessário para liberar os neurotransmissoes que aliviaram meus sintomas de depressão. Medicação antidepressiva tentaram induzir meu cérebro a fazer isso, mas ao fazer isso, as drogas passaram pelo meu corpo inteiro e afetou outros órgãos. A EMT foi aplicada diretamente ao meu cérebro para que não tivesse nenhum outro efeito colateral que eu experimentei com as medicações.

Sua depressão retornou desde o inicio da EMT?

Eu não tive nenhuma recaída séria por quase 3 anos. Eu fiz tratamentos periódicos “de reforço” durante os 2 primeiros anos após começar EMT – o que me deixou sem sintomas. Recentemente, no entanto, eu tive um período extendido de estresse intenso que me fez cair novamente em uma depressão mais intensa. No entanto eu consegui reconhecer os sintomas muito cedo de choro incontrolável, agitação, sono alterado e perda de apetite, então eu contactei meu médico que prescreveu uma série de dez tratamentos que imediatamente me tiraram “da caverna da depressão”. Apesar de que passar novamente pela depressão foi ruim, me reafirmou que a EMT é o tratamento que sempre posso confiar para manter minha saúde mental.

Descreva sua vida hoje

Depressão Maior é uma doença física cronica que sempre monitoro, assim como eu cuidaira de qualquer doença crônica, como a Diabetes. Ainda estou aceitando essa doença para a vida toda. Também não existe um “passe livre” que vem com a EMT, mas eu me senti aliviada por ter essa terapia que funciona para mim melhor do que qualquer outro tratamento que já tentei.

Não parecia possivel enquanto eu estava em tratamento que eu algum dia me sentiria normal, especialmente por que o alívio que eu chamo de “A Melhora” foi muito sutil. Uma vez que comecei a perceber as pequenas coisa que estava perdendo quando estava deprimida voltando, eu sabia que podia conseguir. Finalmente sai daquela caverna. Não só recapturei minha vida, como também ganhei mais do que tinha para começar. Minha experiência de vida agora é a diferença entre assistir um vídeo ou um filme contra estar em um teatro ao vivo. Me sinto mais real e clara agota do que nunca me senti antes. Os sintomas horriveis da depressão foram embora. Estou funcionando em minhas atividades normais e, mais importante, tenho um valor recém encontrado na minha vida – realmente vale a pena viver!

Seu mantra quanto ao tratamento com EMT:

Confie na tecnologia e não tenha medo de terapias alternativas para depressão. Acima de tudo, tenha esperança e “Apenas Continue”!

FONTE:
https://www.greenbrooktms.com/blog/martha-rhodes-a-tms-success-story-part-ii

http://www.ipec.med.br/

Dr. Manoel Vicente de Barros – Psiquiatra em Cuiabá

https://www.instagram.com/dr.manoelvicente/